Sign In

Comunicar Como?

2016-05-23 22:32:50

Inserida na StartPoint'16 decorrer a 24 de maio, das 17.00h às 18.00h, a sessão Comunicar. Como? | EDIT VALUE® Formação Empresarial.

 

 

Temáticas a abordar:

- Comunicação verbal e não verbal.

- Impactos da comunicação não verbal.

- Dilema da escuta ativa

 

 

Dinamizadora

Sara Oliveira

Consultora de Recursos Humanos e Formadora especialista nas áreas de Comportamento Organizacional e Língua Inglesa na EDIT VALUE Formação Empresarial. É pós-graduada em Gestão de Recursos Humanos e encontra-se em período de conclusão do da tese de Mestrado focando o seu estudo na relação entre a Qualidade de Vida no Trabalho e o Desempenho Organizacional.

Realizou um período de estudos na Università Cattolica del Sacro Cuore de Milão (Itália), uma das mais conceituadas escolas de Economia da Europa, onde teve oportunidade de aprofundar os seus conhecimentos em Ciência Política, mais concretamente nas áreas de Globalização e Estratégia, História e Geopolítica, Economia Política, Sociologia, Filosofia e Direito da União Europeia.

 

 

Mais informações sobre o evento AQUI.

 

Mais informações sobre o programa completo AQUI.

 

Inscrições AQUI.

 

 

Notas:

- Participação GRATUITA.

- Será entregue certificado de participação a quem solicitar.

- É oferecido o transporte entre os Campi.  

- A participação em cada uma das atividades do Dot Conhecimento e do Dot Oportunidades representa 0.125ECTS e do Dot DESTACA-TE representa 0.25 ECTS creditados para alunos da EEG (no âmbito do programa EEGenerating Skills). 

 

 

Workshop e Pitch DESTACA-TE

2016-05-23 16:00:06

Inserida na StartPoint'16 decorre a 24 de maio, das 14.00h às 15.00h, a sessão Workshop e Pitch DESTACA-TE | Bosch.

 

 

Temáticas a abordar:

- Saber o que a Bosch procura num candidato.

- Dicas sobre como deves preparar a tua entrevista de emprego.

- Ajudar-te a descobrir os teus pontos fortes e o que deves fazer para realçá-los.

- Possibilidade de te apresentares em formato Pitch.

 

 

Dinamizadora

Rita Cadillon

Responsável pela área de Recrutamento e Desenvolvimento de Recursos Humando na Bosch Car Multimédia, em Braga, com vasta experiência em recursos humanos e no desenvolvimento organizacional.

 

Ana Luís Pereira

Formada em Psicologia do Trabalho e das Organizações, integra o departamento de Recursos Humanos da Bosch Termotecnologia, em Aveiro, atuando na área de recrutamento e desenvolvimento de colaboradores.

 

Mais informações sobre o evento AQUI.

 

Mais informações sobre o programa completo AQUI.

 

Inscrições AQUI.

 

Notas:

- Participação GRATUITA

- Será entregue certificado de participação a quem solicitar

- É oferecido o transporte entre os Campi.

- A participação em cada uma das atividades do Dot Conhecimento e do Dot Oportunidades representa 0.125 ECTS e do Dot DESTACA-TE representa 0.25 ECTS creditados para alunos da EEG (no âmbito do programa EEGeneration Skills).

Como pode uma empresa com mais de 25 anos ser empreendedora

2016-05-16 15:26:19

Inserida na StartPoint'16 decorre a 24 de maio, das 11.45h às 12.45h, a sessão Como pode uma empresa com mais de 25 anos ser empreendedora | F3M - Informations Systems S.A.

 

 

Temáticas a abordar:

- Contextualização histórica da F3M

- Enquadramento do Talent Spy na História da F3M

- Contextualização cronológica do projeto

- Apresentação do projeto (vídeo 2 minuntos + descrição das funcionalidades base)

- Talent Spy em números (utilizadores, clientes referência e números de países onde já chegou)

- Apresentação das novas funcionalidades (desde janeiro de 2016)

- Parcerias do projeto com equipas de scouting

 

 

Dinamizador

João Pedro Fernandes da Silva

Mestre em Engenharia e Gestão de Sistemas de Informação pela Universidade do Minho. Faz parte da equipa F3M desde janeiro de 2015, onde iniciou a sua atividade como Product Developer e no Projeto Talent Spy. Desempenha desde dezembro de 2015 funções de Product Lead no mesmo projeto onde é responsável pela equipa de desenvolvimento e pelo contacto direto e suporte a utilizadores online.

 

Mais informações sobre o evento AQUI.

 

Mais informações sobre o programa completo AQUI.

 

Inscrições AQUI.

 

 

Notas:

- Participação GRATUITA.

- Será entregue certificado de participação a quem solicitar.

- É oferecido o transporte entre os Campi.  

- A participação em cada uma das atividades do Dot Conhecimento e do Dot Oportunidades representa 0.125ECTS e do Dot DESTACA-TE representa 0.25 ECTS creditados para alunos da EEG (no âmbito do programa EEGenerating Skills). 

Network

Na era do innerpreneurship

2016-06-27 18:01:32

O empreendedorismo (entrepreneurship) foi (ainda é), durante muito tempo, associado à criação de novos negócios. Esta tendência tem sido tão marcada, ao ponto de se assumir o empreendodorismo, nesta perspetiva, como a panaceia para a resolução de todos os problemas associados ao desenvolvimento dos países e, por conseguinte, se considerar que todos os contextos, com particular destaque para o contexto educativo, assumirem o empreendedorismo como componente fundamental da sua ação. Registe-se, a este respeito, a proliferação de projetos de empreendedorismo destinados aos mais novos, no sentido de lhes inculcar, desde tenra idade, esta quase obrigação de pautar todo o seu processo de desenvolvimento pela “arte de empreender”. 

Com as crescentes críticas a esta perspetiva redutora sobre empreendedorismo, tem vindo a ganhar força uma perspetiva mais alargada e abrangente – o intraempreendedorismo (intrapreneurship). Não sendo um conceito novo (existe há cerca de 3 décadas) remete para a ideia de que o empreendedorismo não trata, apenas, da criação e desenvolvimento de novos negócios, mas também da forma como as pessoas encaram a sua atividade profissional dentro de organizações e negócios já estabelecidos. Assume-se, assim, o empreendedorismo como uma atitude, centrada na orientação da pessoa para a inovação, com base na sua capacidade de criar e expandir aquilo que já existe, tornando a organização mais competitiva. 

Na linha daqueles que são críticos em relação à ideia de que todos têm de ser empreendedores, seja enquanto criadores de novos negócios, seja enquanto recursos organizacionais ao serviço dos seus resultados (mesmo o intraempreendedorismo está significativamente associado a uma lógica “de fora para dentro”, uma vez que é desejável uma ação congruente com o que “dita” a cultura da organização) ganha forma um novo termo que designei por Innerpreneurship. O termo (inexistente, tanto quanto sei, no âmbito dos dicionários) tem vindo a ser desenvolvido no âmbito do Orienta-Te, Serviço de Carreira e Desenvolvimento Profissional da TecMinho, e tem como referência o trabalho desenvolvido por Timothy Gallawey, considerado por muitos o pai do Coaching, no âmbito do seu livro “The Inner Game of Tennis”.

Neste sentido, o Innerpreneurship (inpreendedorismo, numa tradução literal para português, também com uma palavra inexistente no nosso dicionário) remete para o interior, não para o interior da organização (como no conceito de intraempreendorismo), mas para o interior da pessoa. Se utilizarmos a etimologia da palavra “entrepreneur”, de origem francesa, trata-se de “tomar” ou “adquirir” (“prendre”, em francês) o nosso interior. Dito, por outras palavras, trata-se de nos conhecermos a nós próprios.

Tal como preconizamos no Orienta-Te, através do modelo VOAR (Valores, Objetivos, Ações, Recursos&Resultados), assume-se que o primeiro passo para a definição das nossas opções profissionais é o autoconhecimento, no sentido de identificarmos o nosso propósito, a nossa missão, os nossos valores, ou seja, aquilo que nos move, com que nos identificamos e nos dá prazer. É a partir daqui que se desenvolve uma abordagem “de dentro para fora” (in-out) com base em quem somos e no que valorizamos, em detrimento de uma abordagem em que a base é aquilo que nos dizem quem devemos ser ou o que devemos fazer (“de fora para dentro”). 

Na linha do modelo dos níveis neurológicos de Robert Dilts, um dos autores mais conceituados no domínio da Programação Neurolinguística, o Innerpreneurship está associado aos 3 níveis mais profundos – valores, crenças e convicções; identidade; propósito (espiritualidade) -, que são, não raras vezes, os níveis inconscientes. O Innerpreneurship está, então, relacionado com a tomada de consciência desses níveis, que devem constituir-se como a base para os restantes – capacidades, habilidades e conhecimentos; comportamentos, meio ambiente.

 

A abordagem a partir de dentro (Inner) pressupõe, então, um encadeamento tendencialmente sequencial que se inicia com um autoconhecimento profundo, passando depois para a definição de objetivos, nas diferentes esferas da nossa vida, os quais orientam as nossas ações, para as quais necessitamos de determinados recursos. Não raras vezes, constatamos que a abordagem ao empreendedorismo começa precisamente pelas ações e recursos, provocando, de forma sistemática, ansiedade, sensação de incapacidade, insatisfação e infelicidade. Tudo aquilo que não queremos para a nossa vida.

 

Paulo Silva

Coordenador do Orienta-TE – Serviço de Carreira e Desenvolvimento Profissional da TecMinho

 

Artigo de opinião elaborado no âmbito da revista Get Started | Projeto LIFTOFF

Não é autorizada a reprodução, total ou parcial, do conteúdo sem prévia autorização do autor e do LIFTOFF.

Get Started

2016-06-27 17:53:26

O LIFTOFF - Gabinete do Empreendedor da AAUM apresentou, em 2015, uma revista em torno da temática do empreendedorismo em formato impresso e formato digital que regressou em 2016.

 

A revista Get Started tem como objetivo principal produzir conteúdos educativos e de discussão em torno do empreendedorismo, enriquecendo assim o pensamento crítico dos leitores, em especial da comunidade académica da Universidade do Minho. Pretende-se partilhar a experiência e o percurso de empreendedores bem como expandir o conhecimento em relação ao tecido empresarial da região.

 

Apesar de amplamente disseminada, esta é uma temática que tem sempre muitas questões por esclarecer. Esta nova revista vem permitir mais um espaço de discussão. 

 

Segue, em baixo, a listagem dos artigos: 

 

Janeiro

Quanto vale realmente uma ideia de negócio? | Tiago Sequeira (Diretor da Startup Braga)

 

Fevereiro

Postal enviado do futuro |  Alexandre Mendes (Formandor, Mentor e Empreendedor)

 

Março 

Empreender do Alto do Salto | Sandra Araújo (CEO Edit Value ® Formação Empresarial)

 

Abril

O Sonho Comanda a Vida | Fátima Alves (Coordenadora Vila Work Barcelos Business Center

 

Maio

A Universidade como incentivo ao empreendedorismo | Bruno Alcaide (Presidente da Associação Académica da Universidade do Minho)

 

Junho

Na era do innerpreneurship | Paulo Silva (Coordenador do Orienta-TE - Serviço de carreira e desenvolvimento profissional da TecMinho)

 

Para aceder a revista de 2015 clica AQUI.

  

O LIFTOFF - Gabinete do Empreendedor da AAUM agradece, aos autores dos artigos de opinião que foram publicados na revista, pela sua participação e contribuição no projeto. A todos, desde já, o nosso obrigado!

LIFTOFF TO MARKET

2016-06-16 17:54:08

Associação Académica da Universidade do Minho disponibiliza o espaço LIFTOFF TO MARKET cuja coordenação está a cargo do LIFTOFF - Gabinete do Empreendedor da AAUM.  

       

O LIFTOFF TO MARKET tem como objetivo o apoio a ideias e negócios em fase de arranque através da disponibilização de espaços físicos para o desenvolvimento de atividades empreendedoras/empresariais e do fomento de redes de contacto que facilitem a aceleração das ideias e/ou negócios. 

      

Inclui: 

- Cedência de espaços de trabalho com mobiliário base e/ou CoWork;

- Disponibilização das instalações do LIFTOFF TO MARKET para efeitos de sede social;

- Secretariado no horário de funcionamento da AAUM:

- Utilização, sob marcação, da sala de reuniões mediante disponibilidade;

- Acesso à internet;

- Encaminhamento periódico para iniciativas e programas de empreendedorismo;

- Acompanhamento e consultoria de apoio à criação da empresa.

 

O espaço de apoio aos empreendedores é constituído por salas mobiladas e individuais, sala de cowork, sala de reuniões, hall, espaço de coffee-break, instalações sanitárias comuns varanda.

 

Onde? 

O LIFTOFF TO MARKET situa-se na sede da Associação Académica da Universidade do Minho, na Rua D. Pedro V, nº 48, 3º andar.

(Fotos do espaço aqui)

 

 

Para quem?

Podem candidatar-se ao LIFTOFF TO MARKET pessoas singulares promotoras de um projeto empresarial, bem como startups com o máximo de três anos de existência cuja atividade se tenha desenvolvido na Universidade do Minho. 

 

 

Como te candidatas?

Preenche o formulário disponível em 

http://liftoff.aaum.pt/index.php/formacao/view/id/227

 

Um pequeno passo para ti, um grande passo para o teu negócio!

 

(Condições em anexo)

 

Para mais informações, visita ao espaço ou conhecimento das condições: liftoff@aaum.pt